Começou hoje o 1º Festival das Caipirinhas da Bahia

Começou hoje e vai até o dia 1º de abril, o 1º Festival das Caipirinhas da Bahia, que busca divulgar a cachaça baiana, a Caipirinha e a gastronomia regional. O evento tem cerca de 20 restaurantes participantes e contará com diferentes receitas que partiram da origem da bebida: cachaça, limão, açúcar e gelo.

Ingredientes como sorvete, abacaxi, manga, morango, jabuticaba, Bacupari, cupuaçu, hortelã, maracujá e anis estão em receitas de restaurantes como Origem, Boteco Di Janela, Rua 15, Pedra Puã Restaurante, La Pulperia, Bar Quintal Raso da Catarina, AR Casa de Chá, Gattai, Restaurante Yemanjá, Bottino, La Parrilla Porteña, Ki-Mukeka Armação e Espaço Cultural Casa da Mãe.

O projeto tem a participação da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-Ba) e os drinques terão um preço fixo de R$10,00.

A caipirinha – Parece simples fazer uma caipirinha. É só cortar o limão, uma boa Cachaça, açúcar e misturar ao gelo. Porém, com o passar dos anos, a Caipirinha ganhou diversas variações nas mãos de conceituados bartenders. “Há quem defenda ferrenhamente a receita tradicional, mas num país com tanta riqueza de frutas e cachaças de variados aromas, é desperdício ficar só na básica”, diz Freire.

Bebida típica do Brasil, ela foi criada por volta de 1918 no interior de São Paulo, e hoje é conhecida no mundo todo. Em dezenas de estabelecimentos da capital baiana, você poderá provar desde a versão clássica, até releituras mais elaboradas com outras frutas e também xaropes.

História – Pesquisadores indicam que a caipirinha, como é conhecida, teria sido criada a partir de uma receita popular feita com limão, alho e mel e seria indicada para os doentes da gripe espanhola. A cachaça foi colocada porque na época era comum um pouquinho de álcool em todo remédio caseiro, a fim de acelerar o efeito terapêutico. Com o tempo foi retirado o alho e o mel e acrescentado umas colheres de açúcar para adoçar a bebida. O gelo veio em seguida. Outros pesquisadores dizem que a bebida foi criada por fazendeiros para festas de alto padrão, sendo um reflexo da forte cultura canavieira na região.

Para proteger a autenticidade do drink nacional, considerado um patrimônio brasileiro, o decreto de lei número 4.851 foi assinado em 2003 pelo Governo para garantir a propriedade intelectual sobre as marcas Caipirinha e Cachaça na legislação internacional.

A receita tradicional é diretamente preparada no copo, no qual o limão deve ser levemente macerado com o açúcar, posteriormente acrescentar o gelo e, na sequência, a dose de Cachaça. Deve-se mexer levemente para misturar os sabores. A cachaça oficial do festival é a premiadíssima Rio do Engenho, produzida na cidade de Ilhéus, localizada na região sul do estado.

Foto: Reprodução/Internet

Gostou? Compartilhe!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 1 =

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + 19 =