Histórias mal assombradas de Salvador: Conheça algumas delas

Histórias mal assombradas de Salvador: Conheça algumas delas

Toda cidade guarda histórias mal assombradas. Uma cidade centenária como Salvador até que poderia ter mais. Nesta sexta-feira 13, a gente conta algumas das histórias mal assombradas de Salvador.

1. Porões do Mercado Modelo: A suposta comercialização de escravos que teria ocorrido no seu sombrio subsolo (versão contestada por historiadores) é o que alimenta isso, além dos cinco incêndios. Quem trabalha pelo local diz que ouve gritos e pedidos de socorro perto da entrada do subsolo.

2. Casa das Sete Mortes: Conhecida devido aos homicídios que ocorreram em 1755, crime nunca desvendado mesmo registrado no que seria o Tribunal de Justiça da época. O estranho é que não ocorreram sete mortes e, sim, quatro (o Padre Manuel Pereira, dois pardos e um negro). Há histórias que uma empregada se vingou de maus-tratos, de uma tragédia amorosa e que as mortes foram por envenenamento. Mas ninguém chegou a um ponto final.

3. “Loira do Palácio Rio Branco”, “O morto da Governadoria”: Não tem lugar mais propício para histórias mal assombradas que órgãos públicos e grandes empresas. Cada um tem a sua. Reza a lenda que, era carnaval e, enquanto as pessoas se divertiam nas praças da Sé e Castro Alves, Dalise e os colegas trabalhavam. O silêncio dos corredores vazios ecoava o barulho dos trios. De repente, um grito lá dentro. Dalise correu desesperada e se assustou com o que viu: uma mulher loira que ela não conhecia caminhava pelo salão com o cabelo parte desarrumado e parte preso em um pente.

4. Teatro Vila Velha: Diz a lenda que um antigo morador – João Augusto, um dos fundadores do Vila – ocupa corredores, salas de ensaio e camarins. Muita gente diz que já viu e outras, claro, repetem o que ouviram dizer. Um certo segurança noturno, em sua primeira noite de serviço, ouviu uma voz dizer para ele não descer as escadas. Ele obedeceu e nunca mais voltou.

5. Voz misteriosa do Carmo: Conta a lenda que um grupo se reuniu para jogar bola em frente à igreja. Enquanto o grupo se divertia, um deles ouviu uma voz pedindo silêncio, quase sussurrando. Insistente, a voz misteriosa repetiu o pedido. Dessa vez, todos os amigos ouviram e, de repente, os portões da Igreja começaram a tremer de forma estrondosa, sendo que não havia sinal de vento.

Alguém sabe de outras histórias mal assombradas de Salvador?

Foto: Internet/Portal G1

Gostou? Compartilhe!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =