Machu Picchu - O que fazer

Um pouco da história de Machu Picchu

Segundo estudiosos da história de Machu Picchu, ela era uma propriedade real construída para o rei Inca Pachacutec por volta de 1450. Outros especulam que a cidade inca era um centro sagrado onde as grandes mentes políticas, religiosas e econômicas do Império Inca se reuniam. A população de Machu Picchu variou entre 300-1000 habitantes e consistiu principalmente de membros da linhagem de Pachacutec, elite religiosa e artesãos altamente especializados recrutados em todo o império, chamados yanaconas.

Os vales nessas áreas produziram um grande excedente agrícola. Mas após a morte de Pachacutec, este lugar perdeu a importância. Seus sucessores construíram novas construções, como Ollaytantambo, que usaram menos a rota para Machu Picchu. Ao longo dos anos, Machu Picchu ficou perdido na memória oficial.

Em 1911, Hiram Bingham era um professor americano de história tentando encontrar o último lugar onde estavam os Incas de Vilcabamba. Guiado por um jovem menino de Mandorpampa, Bingham chegou às ruínas e encontrou uma das maiores descobertas arqueológicas do século 20 – e que foi nomeado em 2007 como uma das novas sete maravilhas do mundo: Machu Picchu.

O que Bingham viu foi uma cidadela dramática e imponente de pedra cortada de escarpas. Fabricados por homens sem argamassa, as pedras se encaixam tão firmemente que nem mesmo uma lâmina de faca poderia encaixar entre eles. Ele se perguntou: Por quê? Por quem? Para quê?

Certamente, o que ele viu foi admirável. O especialista peruano contemporâneo Luis Lumbreras, ex-diretor do Instituto Nacional de Cultura do Peru, descreve “uma cidadela composta de palácios e templos, moradias e armazéns”, um site que cumpre funções cerimoniais religiosas.

Machu Picchu é formado por edifícios, praças e plataformas conectadas por pistas estreitas ou caminhos. Um setor é consertado por muros, valas e, talvez, um fosso construído, escreve Lumbreras, “não como parte de uma fortificação militar [mas] como uma forma de isolamento cerimonial restrito”.

Machu Picchu - O que fazer

Em 1983, Machu Picchu foi declarado Patrimônio Mundial da UNESCO. Em 2012, um ano após o 100º aniversário da descoberta científica de Machu Picchu, todos os artefatos escavados pela equipe de Bingham e enviados para o Museu Peabody da Universidade de Yale foram finalmente devolvidos ao Peru. Esses artefatos estão atualmente em exibição na Casa Concha (Museu Machu Picchu) em Cusco.

A errada “Cidade Perdida”

A descoberta de Bingham foi publicada na edição de abril de 1913 da revista National Geographic, levando a cidadela do topo da montanha à atenção do mundo. (A National Geographic Society ajudou a financiar Bingham em excursões a Machu Picchu em 1912 e 1915.)

Bingham acreditava ter encontrado Vilcabamba, a chamada Cidade Perdida do Inca, onde o último dos governantes inca independentes travava uma batalha de um ano contra os conquistadores espanhóis. Bingham argumentou e justificou suas conclusões por quase 50 anos após sua descoberta, e suas explicações foram amplamente aceitas.

O que Bingham descobriu, no entanto, não era a cidade perdida, mas uma cidade perdida diferente.

Em 1964, o aventureiro Gene Savoy identificou as ruínas e provou que Espiritu Pampa (na região de Vilcabamba, no Peru, a oeste de Machu Picchu) era a cidade perdida que Bingham havia procurado originalmente. Ironicamente, Bingham havia realmente descoberto essas ruínas em Espiritu Pampa durante sua caminhada de 1911. Ele descobriu alguns muros e pontes de pedra esculpidas no Inca, mas descartou as ruínas e, finalmente, se concentrou em Machu Picchu. Savoy descobriu muito do resto.

Então, o que essa cidade que Bingham havia revelado? Não houve relatos de Machu Picchu em nenhuma das cronologias muito estudadas da invasão e ocupação espanhola, de modo que ficou claro que os invasores europeus nunca descobriram. Não havia nada para documentar que existia mesmo e muito menos o propósito.

Bingham teorizou que Machu Picchu serviu como um convento, onde as mulheres escolhidas do reino Inca foram treinadas para servir o líder incas e sua coterie. Ele encontrou mais de uma centena de esqueletos no local e acreditava que cerca de 75 por cento dos esqueletos eram do sexo feminino, mas estudos modernos mostraram uma divisão mais cinquenta e cinquenta entre os ossos do sexo masculino e feminino.

Machu Picchu - O que fazer

Teorias Modernas

A pesquisa moderna continuou a modificar, corrigir e moldar a lenda de Machu Picchu. Pesquisas realizadas por John Rowe, Richard Burger e Lucy Salazar-Burger indicam que, ao invés de ser uma fortaleza defensiva, Machu Picchu foi um retiro construído por e para o governante incaico Pachacuti. Burger sugeriu que foi construído para as elites que desejam escapar do barulho e do congestionamento da cidade.

Brian Bauer, um especialista em civilização andina na Universidade de Illinois em Chicago e dono da National Geographic, diz que Machu Picchu foi construído em torno de 1450 dC e manteve apenas cerca de 500 a 750 pessoas.

Uma coisa é certa, diz Bauer, evidência arqueológica deixa claro que os incas não eram as únicas pessoas a viver em Machu Picchu. A evidência mostra, por exemplo, diferentes tipos de modelagem de cabeças, uma prática associada a pessoas de regiões costeiras, bem como em algumas áreas das terras altas. Além disso, a cerâmica criada por uma variedade de pessoas, mesmo algumas do Lago Titicaca, foram encontradas no site.

Quanto à agricultura, os moradores de Machu Picchu provavelmente fizeram uso dos grandes terraços que o rodeavam.

O Dr. Johan Reinhard, explorador em residência da National Geographic, passou anos estudando sítios cerimoniais de incas em altitudes extremas. Ele reuniu informações de fontes históricas, arqueológicas e etnográficas para demonstrar que Machu Picchu foi construído no centro de uma paisagem sagrada.

Machu Picchu está quase cercado pelo rio Urubamba, que é reverenciado pelas pessoas na região ainda hoje. As montanhas que ancoram o site também são importantes formas de relevo sagradas. “Tomados em conjunto, essas características significaram que Machu Picchu formou um centro geográfico cosmológico, hidrológico e sagrado para uma vasta região”, diz Reinhard.

Machu Picchu Hoje 

Em setembro de 2007, a Universidade de Yale concordou em retornar ao Peru alguns dos milhares de artefatos que Bingham retirou para Yale para estudar durante seus anos de exploração e pesquisa. Esses itens foram colocados no Museu Internacional UNSAAC-Yale para o Estudo de Machu Picchu e Cultura Inca, que abriu em Cusco em 2011.

Ser chamado de uma maravilha do mundo moderno como parte de uma pesquisa mundial em 2007 foi uma benção mista para as pessoas de Cusco, o antigo centro do mundo Inca e a cidade mais próxima de Machu Picchu. O site é uma fonte de orgulho nacional para o Peru, bem como uma atração turística valiosa. No entanto, com um aumento do interesse internacional, surge o aumento da poluição, a necessidade de hotéis e outras instalações e a necessidade de proteger a cidade perdida que, antes do século passado, o mundo não sabia que existia.

Os cientistas, no entanto, continuam a escavar e reconstruir o site. Os avanços científicos modernos, como aqueles que re-identificaram o gênero dos esqueletos que Bingham encontrou, poderiam ajudar a descobrir pistas para revelar os motivos de sua construção, as atividades que aconteceram lá e seu posterior abandono.

Fonte: Livro “Machu Picchu – Arquitectura y Ingeniería” de Jesús Puelles Escalante.

Gostou? Compartilhe!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − um =