Subúrbio de Salvador

Um passeio no trem do subúrbio de Salvador: da Calçada à Plataforma

Você já andou no trem do subúrbio de Salvador? Hoje, nós vamos falar um pouco dessa experiência, a história da ferrovia, sua atual situação e outras informações da única linha férrea de Salvador.

A história do trem do subúrbio de Salvador

A ferrovia que hoje liga a Calçada a Paripe começou a ser criada em 1853, quando Joaquim Francisco Alves Muniz Barreto recebeu do Governo Imperial a concessão para a construção de uma estrada de ferro ligando Salvador à Cidade de Juazeiro.

Em 1855, a concessão foi passada para um grupo de empresários ingleses que fundou a Bahia and São Francisco Railway Company. As obras começaram em maio de 1856, tendo como destino final a cidade de Alagoinhas e em junho de 1860 foram inaugurados o trecho inicial Calçada-Paripe, com 15 km de extensão e a Estação da Calçada. Em 1896, a ferrovia chegou a Juazeiro. Foi a primeira da Bahia e a quinta do Brasil.

A Estação da Calçada

Concebida em Londres pelo inglês John Watson em 1855, a Estação Calçada é um projeto tão bem-feito que permanece eficiente e atual até hoje. Sua estrutura em ferro fundido, trazida da Inglaterra, foi complementada com forros e assoalhos feitos em madeira. Décadas mais tarde, em 1938, a estrutura ganhou o reforço de alvenaria de bloco e a marquise fundida em concreto armado. E ainda hoje é um importante marco arquitetônico da Cidade Baixa.

Estação da Calçada - Salvador-Bahia

Trajetória

No inicio do século 20, as ferrovias brasileiras, incluindo a Calçada-Paripe, passaram por uma séria crise, que culminou com a intervenção do Governo Federal em 1911. O então presidente Hermes da Fonseca unificou todas as empresas e em seguida delegou a administração à Compagnie Chemins de Ferderaux du I’Ést Brésilien, de capital franco-belga. Em 1934, o Departamento Nacional de Estradas de Ferro encapou a ferrovia baiana, que passou a ser chamada de Viação Férrea Federal Leste Brasileiro e teve como comandante o engenheiro baiano Lauro de Freitas, que implantou uma série de modernizações.

Em 1937, teve início a duplicação do trecho Calçada-Paripe (concluída em 1953) e, no ano seguinte, a empresa ganhou as três primeiras locomotivas diesel-elétricas do Brasil. Em 1952, foi inaugurada a Ponte São João, com 461 metros. Em 1948, foi iniciada a eletrificação da ferrovia, beneficiando também os moradores do subúrbio que, até então, não-tinham acesso à luz elétrica. E finalmente, em 1957, a estrada de ferro foi integrada à Rede Ferroviária Federal (RFFSA). Em 1982, a via férrea foi reformada e em 1988 passou a fazer parte, junto com os outros trens urbanos nacionais, da Companhia Brasileira de Trens Urbanos – CBTU. Em 2005, o trecho ferroviário entre as estações da Calçada e Paripe foi transferido para a Prefeitura de Salvador, e finalmente em maio de 2013, o sistema foi transferido para o Estado, juntamente com as obras do metrô, passando a ser administrado pela CTB – Companhia de Transportes do Estado da Bahia.

Como é o hoje o trajeto Calçada x Paripe

Começamos esse passeio da Estação da Calçada, que é a principal e maior estação da linha. A estação, como falado acima, é bonita, ampla e bem projetada e lembra, sim, algumas estações de metrô da Europa.

Subúrbio de Salvador

O grande porém é o seu atual estado de conservação, um tanto precário, que remete a um acentuado estado de abandono. Há faixas e cartazes na porta. O valor da passagem custa apenas R$0,50, independente da estação que a pessoa desembarque. Estávamos num grupo de amigos e nosso destino era a Estação de Plataforma. Logo na entrada, fomos alertado por um segurança sobre os aparelhos celulares e para não andar com as janelas dos trens abertas pois, durante o percurso, as pessoas estavam jogando “coisas”  desagradáveis.?

Houve um pouco de espera já na plataforma de embarque, momento em que deu para fotografar um trem bastante antigo que praticamente estava ali como uma espécie de museu e o trem super colorido e bonito, em que partimos para a viagem.

Estação Calçada - SalvadorLinha férrea Calçada x ParipeTrem Calçada x Paripe

A linha Calçada x Paripe possui dez estações: Calçada, Santa Luzia, Lobato, Almeida Brandão, Itacaranha, Escada, Praia Grande, Periperi, Coutos e Paripe. Os trens são simples e não há aviso sonoro quando se para em determinada estação. Apesar da precariedade do serviço, não há diferença na sinalização visual em relação a qualquer outro serviço de trem do mundo: a placa universal abaixo está lá para nos alegrar quanto a isso!

Trem subúrbio de Salvador

Para quem não utiliza esse meio de transporte diariamente, é impossível não ficar atento a todos os detalhes: as pessoas e as casas simples em que o trem passa bem próximo, a cerca de segurança quase toda depredada durante o trajeto, o mato que invade a linha, a extrema simplicidade e abandono das estações…

Trem - Subúrbio SalvadorIMG_9594 Lobato - Salvador IMG_9606

… e a espetacular Ponte São João e os braços de mar da Baía de Todos os Santos que brindam o caminho.

Ponte São João - Baía de Todos os Santos Cidade Baixa - Baía de Todos os Santos Trem do subúrbio de Salvador

Estação Almeida Brandão (Plataforma)

Nossa parada foi no meio desse caminho, especificamente na Estação Almeida Brandão, que serve ao bairro de Plataforma. Certamente, de todas as estações da linha Calçada x Paripe, essa seja a mais especial de todas. O abandono e a precariedade da estação em si não se diferem das demais, mas a beleza natural ao seu arredor talvez a faça a estação mais única e bela do mundo. O bairro da Ribeira em frente, a imensidão da Baía de Todos os Santos adentrando o continente, formando a Baía de Itapagipe e as famosas palmeiras imperiais compõem um visual encantador e arrebatador!

Estação Almeida BrandãoPlataforma - SalvadorBairro PlataformaBairro PlataformaPalmeiras imperiais - Plataforma   Plataforma - Salvador

Um pouco mais da linha férrea do subúrbio de Salvador…

Metrô de Salvador Trem - Salvador Linha férrea - Salvador

O Futuro do Trem do subúrbio de Salvador

Há muitos anos, o Programa de Mobilidade Urbana do Estado da Bahia prevê a requalificação e expansão do sistema ferroviário do Subúrbio e sua integração aos demais sistemas estruturantes em execução. O projeto busca ampliar a oferta de transporte coletivo de massa com qualidade, conforto e segurança, por meio da implantação do VLT – Veículo Leve Sobre Trilhos entre os bairros do Comércio e a localidade de São Luís, em Paripe.

O sistema prevê requalificação e ampliação para 18,5 km, com 21 paradas. O VLT é um sistema moderno, bastante usado em médias e grandes cidades do mundo, podendo atingir velocidade de até 80 km/h, além de possuir baixo ruído e ar-condicionado, além de não emitir poluentes por ser movido a eletricidade.

É muito triste há tantos e tantos anos, a população do subúrbio de Salvador amargar um serviço de transporte público tão precário e sem segurança. E que esse “futuro prometido” nunca saiu do papel. Com trens coloridos e grafitados, uma ponte emblemática no trajeto e a suntuosa Baía de Todos os Santos margeando essa linha tão peculiar na primeira capital do Brasil, tinha tudo pra ser a viagem de trem mais fascinante de qualquer baiano ou turista?

Gostou? Compartilhe!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − dois =