Cidade da Musica da Bahia

Cidade da Música da Bahia, o que esperar do espaço símbolo da “Cidade da Música”

Antes de falarmos nossa opinião sobre o espaço Cidade da Música da Bahia é preciso pontuar sua importância como principal símbolo do título “Cidade da Música” que Salvador obteve da UNESCO, título esse que, a cada período estipulado, é renovado. Talvez, se não fosse esse peso e acompanhamento internacional, o saudoso Casarão dos Azulejos Azuis, há décadas em ruínas, não teria sido restaurado em um tempo louvável. Mas não houve economia de recursos para isso, bem como para a criação do museu, segundo dados oficiais, a conta saiu por 19 milhões de reais (!).

Repetindo a mesma fórmula da Casa do Carnaval da Bahia, o talentoso idealizador Gringo Cardia abusou dos recursos audiovisuais em quase todo o espaço. No primeiro pavimento, há estações interativas sobre bairros da capital e suas músicas (verificamos Imbuí e Pituaçu com erro), Sala com depoimentos de artistas sobre a cidade e a Sala de Projeção, que é bem legal para sentar e ver, de forma aleatória, o conteúdo do museu.

Cidade da Musica da BahiaCidade da Musica da Bahia

No segundo pavimento, as estações contam a história dos nossos principais artistas, mas não se limitam aos cantores e à nossa música. Tem espaço para escritores, poetas e vídeos musicais de prêmios da música brasileira (com artistas que não são da Bahia) e até da produtora Macaco Gordo, facilmente encontrados no Youtube…. qual seria mesmo o propósito disso? A Sala Magia da Orquestra homenageia a Orquestra Sinfônica da Bahia, especialmente, os seus instrumentos – os mesmos em qualquer lugar do mundo -, feche, pelo menos, os olhos para uma experiência mais sensorial. Outras salas exibem a música que nasce nas periferias, novos talentos e nomes já consagrados.

Cidade da Musica da BahiaCidade da Musica da Bahia

O terceiro pavimento conta com uma Karaokêteca (para cantos bem sem graça de karaokê) pelos visitantes, Sala Rap Trap (para batalhas de rap e trap), Cabines Interativas – Mixagem (bem legal essa!), História da Percussão, Música e Educação, Sala Percussão e a Sala Rumpilez (a mais original, por proporcionar, finalmente, um contato ao vivo com nossos instrumentos e os seus sons). No térreo, há uma biblioteca e o Café Mãe.

Cidade da Musica da BahiaCidade da Musica da Bahia

O museu possui uma qualidade visual extraordinária, a atenciosa equipe de funcionários é um dos pontos altos, com roupas que ora lembram o Cortejo Afro ora os Filhos de Gandhi. É realmente grandiosa a quantidade de conteúdo a ser visto e consumido através de telas, mas a maçante forma audiovisual cansa e limita a experiência devido também ao uso obrigatório do celular em quase todos os momentos (há uma falha no atual sistema em que é preciso reinserir os dados a cada saída de estação). Não há fones de ouvido individuais, o que compromete a qualidade dos conteúdos exibidos, principalmente, se o local estiver cheio. No segundo andar, as cabines são mais isoladas, o que proporciona uma melhor absorção do material apresentado.

É fato que, por ser excessivamente audiovisual, o museu não proporciona um contato real, próximo e mesmo encantador com as diversas vertentes emocionantes da música de Salvador e da Bahia. É uma lástima também que ele não tenha sido projetado para uma segunda ou terceira língua (nenhum dos vídeos apresentados é), visto que, por estar às margens do Porto de Salvador e ao lado do Mercado Modelo, há um trânsito considerável de estrangeiros. A música, por si só, já tem um enorme apelo, em que barreiras linguísticas ou de estilo passam a ser secundárias. Mas, infelizmente, seja o turista nacional ou estrangeiro, ou o próprio baiano que queira ouvir ou simplesmente sentir a música visceral, que brota das entranhas dessa terra não será uma tarefa tão fácil. Ele terá que adentrar em um emaranhado de teorias, telas, comandos e cápsulas para ouvir algum distante tum tum tum baiano.

Por fora do casarão, que seguirá com as janelas eternamente fechadas, uma leve melhora ou a famosa “maquiada” nos seus arredores. Um lixão foi camuflado, umas faixas sinalizadas (que nada duram) no asfalto. É assim que a banda toca.

Ingresso: R$20 e R$10 (para moradores de Salvador).

Vindo para Salvador ou viajando pelo mundo? Reserve por aqui!
Quando você faz uma reserva por um link do blog, você quase sempre tem desconto, não paga nada a mais por isso e nós ganhamos uma pequena comissão. Essa troca positiva nos ajuda a continuarmos produzindo mais conteúdo de qualidade.
Gostou? Compartilhe!
0 0 votes
Article Rating
Se inscrever
Me notificar caso:
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
-->