Warning: session_start(): open(/var/cpanel/php/sessions/ea-php54/sess_b5ac731113c95e514a96b2e51623747d, O_RDWR) failed: No such file or directory (2) in /home/diariod2/public_html/wp-content/plugins/wp-user-avatar/src/Classes/PPRESS_Session.php on line 286

Warning: session_start(): Failed to read session data: files (path: /var/cpanel/php/sessions/ea-php54) in /home/diariod2/public_html/wp-content/plugins/wp-user-avatar/src/Classes/PPRESS_Session.php on line 286
Cusco: Um passeio pelo Vale Sagrado dos Incas
Pisac - O que fazer em Cusco

Cusco: Um passeio pelo Vale Sagrado dos Incas

Quando eu tenho mais tempo em um lugar, uma coisa que eu aproveito para fazer são passeios, os chamados bate e volta, a partir de alguma cidade base. Além de proporcionar memórias incríveis, esses passeios te dão uma visão mais abrangente daquela localidade e que faz toda a diferença na sua experiência de viagem. O passeio pelo Vale Sagrado dos Incas não é um passeio qualquer.

O passeio pelo Vale Sagrado não é um passeio pelas ruínas nos arredores de Cusco como Tambomachay, Puka Pukara, Qenqo e Saqsaywaman, apesar dessas localidades também fazerem parte dele. Essa outra parte do passeio vai mais além. Ela se prolonga por mais de 100 quilômetros (sendo seus extremos as cidades de Pisac e Machu Picchu), possui numerosos povoados indígenas e impressionantes centros administrativos.

Vale Sagrado dos Incas

A uma altura média de 2.800 metros acima do nível do mar, o Vale Sagrado dos Incas apresenta condições excepcionais, como um clima benéfico (média de 18º C), vasta flora e fauna, terra fértil, inúmeros riachos e o famoso Rio Urubamba (Rio Vilcanota). A verdade é que o Vale Sagrado é um dos mais ricos passeios culturais e paisagístico do Peru.

Pisac - O que fazer em Cusco

A maneira mais fácil de conhecer o Vale Sagrado é contratando algum tour que várias agências de Cusco organizam. O circuito todo varia de valor a depender da época, e pode ser feito em um único e proveitoso dia. No entanto, quem deseja visitar com mais calma um desses sítios arqueológicos, pode pernoitar em uma dessas cidades e fazer os passeios por conta própria.

Não acho que seja necessário pernoitar em alguma dessas pequeninas cidades, a não ser que você esteja vindo de uma outra rota do Peru e seja necessário. Saindo de Cusco (que foi o meu caso), feche o passeio por todo o vale e não volte para Cusco. A última parada do vale é Ollantaytambo, o melhor lugar para você já pegar o trem e seguir rumo a Machu Picchu.

O passeio dura o dia inteiro e o visual desse vale é simplesmente sensacional! Fique tranquilo que nos principais mirantes, o pessoal para para você tirar aquela fotozinha básica.

Pisac

Situada a 30 km de Cusco, Pisac é a primeira parada no Vale Sagrado dos Incas e é uma delícia! Com ruas estreitas e características coloniais, mas construída sobre fundações incas, possui um mercado expressivo organizado por indígenas, um dos mais tradicionais da região. O mercado de artesanato é enorme com muita variedade e tudo que se vê é lindo, mega colorido e realmente artesanal.

Pisac - Vale Sagrado dos Incas

O destaque em Pisac vai, claro, para o povo cativante do Peru (me apaixonei por essa menininha da foto!) e para as empanadas de queijo feitas na hora. Aos domingos, ao meio dia, é realizada uma missa em quéchua (uma das línguas oficiais da Bolívia, Peru e Equador).

Olha que mais bela recepção em Pisac!

Olha que mais bela recepção em Pisac!

Junto à cidade, O Morro Intihuatana conserva impressionantes ruínas arqueológicas, com destaque para os terraços destinados à agricultura inca.

Pisac - Vale Sagrado dos Incas

Cemitérios, torres, templos e um antigo relógio de sol fazem parte desse imperdível complexo que convida para uma caminhada e oferece uma vista insuperável do vale.

Pisac - Vale Sagrado dos Incas

Urubamba

Urubamba é conhecida como Perla del Vilcanota (Pérola do Vilcanota), e é considerada o coração do Vale Sagrado dos Incas. A 78 km de Cusco, situada aos pés das montanhas Chicón e Pumahuanca, oferece muitas possibilidades para o turismo de aventura. E, de todo o vale, essa é a melhor cidade para se hospedar ou comer.

A pausa para o almoço em Urubamba pode estar incluso no seu passeio ou não. Tem gente que não contrata o restaurante. Daí você pode ficar livre para escolher onde comer na cidade. Eu peguei o passeio com o almoço e foi um restaurante muito bom, com um enorme jardim e lhamas espalhadas, só que não lembro o nome. 🙁

Urubamba - Vale Sagrado dos IncasUrubamba - Vale Sagrado dos Incas

Logo abaixo, estava o Rio Urubamba, com suas águas claras e caudalosas. Lindo!!

Ollantaytambo

A chegada a Ollantaytambo é de fato o ponto alto de todo o passeio pelo Vale Sagrado dos Incas. Depois de Machu Picchu é a principal e mais bem preservada ruína do Peru.

Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas

A cidade é também chamada “Living Inca City” porque seus moradores vivem de acordo com as tradições e costumes herdados dos seus antepassados. Ela é a única cidade inca que ainda é ocupada por famílias locais e toda a a arquitetura e estrutura da cidade são inca originais.

A ruína de Ollantaytambo é grande, com muitos degraus a serem subidos até o topo. Por mais que você se assuste com o seu tamanho, à primeira vista, a subida até que é tranquila. Aqui os incas desenvolveram um complexo composto por atividades agrícolas, administrativas, sociais, religiosas e militares. Nas encostas dos morros em que se encontram, há vários terraços agrícolas que oferecem impressionantes vistas dos vales.

Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas

A cidadezinha abaixo das ruínas arqueológicas é bastante pitoresca, conta com pequenos restaurantes, hotéis, praça principal com algumas ruas saindo e um mercado efervescente. E é exatamente mais um tipo de lugar que você esperaria encontrar no Vale Sagrado e em todo o Peru.

Ollantaytambo - Vale Sagrado dos Incas

Veja mais informações sobre Ollantaytambo, clicando aqui.

Chinchero

Chinchero costuma ser a última parada do tour pelo Vale Sagrado dos Incas. É um pequeno povoado indígena de influência hispânicas e andinas, com uma igrejinha construída sobre um templo inca. Aqui são produzidas as lãs peruanas típicas, as de ovelha ou de alpaca.

A maior parte dos passeios vão a Chinchero, mas infelizmente, não fui, pois de Ollantaytambo segui rumo a Machu Picchu.

Mais posts de Cusco:

Peru: O que ver, sentir e fazer em Cusco

Dicas de restaurantes em Cusco: Pacha Papa e Chicha

Peru: Um pouco da história de Cusco

Dica de hotel em Cusco: Hotel Royal Inka II

Vindo para Salvador ou viajando pelo mundo? Reserve por aqui!
Quando você faz uma reserva por um link do blog, você quase sempre tem desconto, não paga nada a mais por isso e nós ganhamos uma pequena comissão. Essa troca positiva nos ajuda a continuarmos produzindo mais conteúdo de qualidade.
Gostou? Compartilhe!