Hackathon+Salvador: o que aconteceu no Pelourinho no último final de semana

Quem acompanha a gente pelo Stories do Instagram sabe que no último final de semana estávamos com mais 50 participantes no Hackathon+Salvador, uma maratona de 33 horas que visava propor soluções de impacto social para o Centro Histórico de Salvador (CHS) em cinco grandes eixos: turismo, mobilidade, economia criativa, cultura (patrimônio histórico) e governança.

Debate de ideias, explanação dos problemas e maior consciência e conhecimento da riqueza e problemas do nosso Centro Histórico permearam esses dois dias. Muito mais que sair com a ideia vencedora, o grande legado dessa maratona foi reunir tanta gente apaixonada e vinculadas ao CHS, desejosos por mudanças e ávidos para fazer a diferença na solução dos seus problemas.

Não, eles não são poucos. Os problemas são complexos. Mas uma longa caminhada se começa com um pequeno passo. E o primeiro passo para resolver um problema é reconhecer a sua existência. Imbuídos nesse espírito, 10 equipes foram formadas com a intenção de criar projetos para melhorar a gestão, preservar o patrimônio histórico e fomentar o desenvolvimento turístico e sociocultural do CHS.

Não faltaram excelentes projetos: o vencedor “Viva Pelô” propõe ir além dos guias turísticos tradicionais, com a ideia de transformar artistas e outros representantes da comunidade local em “anfitriões culturais” que façam o turista sentir na pele o que é ser um nativo do Centro Histórico. O “Oh Vey” permite conectar microempreendedores informais a visitantes do Centro Histórico e agendar o serviço que deseja. Pode ser uma foto com as baianas ou rodas de capoeira, por exemplo. O pagamento é feito por meio da plataforma, com cartão de crédito. A ideia surgiu com o objetivo de diminuir o problema do assédio dos vendedores ambulantes.

Podemos indagar se uma aplicação digital resolverá os problemas do Pelourinho. Com certeza, não. A única certeza é que somos nós que estamos aqui de forma perene. Os governos passam. É preciso uma articulação da sociedade civil organizada, governo, academia, empresários, de maneira a formar uma rede de atores locais, sinérgica, para alinhamento de soluções para o CHS. Os responsáveis (e principais interessados) somos nós!

Foto: Correio da Bahia

Vindo para Salvador ou viajando pelo mundo? Reserve por aqui!
Quando você faz uma reserva por um link do blog, você quase sempre tem desconto, não paga nada a mais por isso e nós ganhamos uma pequena comissão. Essa troca positiva nos ajuda a continuarmos produzindo mais conteúdo de qualidade.
Gostou? Compartilhe!

Deixe um comentário

avatar
  Se inscrever  
Me notificar caso: