Calçadas do Comércio

Precisamos falar sobre o Comércio: Calçadas do Comércio

Em algumas ocasiões já falamos aqui sobre o tesouro precioso que é o bairro do Comércio: uma miscelânea histórico-arquitetônica de influências europeias, misturada a prédios mais modernos, à margem da deslumbrante Baía de Todos os Santos e porta de entrada de Salvador, para quem chega pelo mar. Entretanto, mesmo com essa extraordinária conjuntura em um dos bairros que compõe o Centro Antigo de Salvador, lamentavelmente, problemas mais básicos assolam a região. Muitos casarões prestes a desabar, calçadas (quase) impossíveis de se andar, faltam limpeza, organização dos vendedores ambulantes, mobilidade…

 Calçadas do ComércioCalçadas do Comércio

Desde o nosso último post em fevereiro/2018, houve alguma mudança de lá pra cá? Houve, sim. De forma muito, muito, muito vagarosa, em algumas calçadas foram arrancadas as últimas pedras portuguesas e colocadas tenebrosas placas de cimento grosso. Como o simples ato de andar é o mais básico e quem frequenta a região sabe que isso não é uma coisa simples (por mais absurdo que pareça), tivemos uma pequena melhora em poucas calçadas, mesmo que à custa de um doloroso empobrecimento cultural, histórico e até espiritual.

Calçadas do ComércioCalçadas do ComércioCalçadas do Comércio

Todas as calçadas foram reformadas? De jeito nenhum. A grande maioria continua da mesma forma: destruídas, abandonadas e mesmo algumas que estavam com cimento já estão quebradas também. As que ainda não foram, serão? Difícil saber. Pelo andar da carruagem, se sim, a passos de tartaruga.

 Calçadas do ComércioCalçadas do Comércio

O mais triste é que, além desse acinzamento na região mais linda de Salvador e agressão à nossa história, não se percebe uma ação coordenada, um plano maior em que o intuito seja revitalizar, uniformizar e valorizar a área como um todo, com ordenação dos postes, melhoria dos asfaltos, lamparinas, faixas de pedestres, rampa para cadeirantes…

Calçadas do ComércioCalçadas do Comércio Calçadas do Comércio

E as calçadas de um dos maiores símbolos de Salvador, o Mercado Modelo? Continuam do mesmo estado que as outras, bastante destruídas, mas ainda a maior parte é formada por pedras portuguesas. Atualmente, a parte de trás do Mercado está com tapume e tomara que seja indício de reformas e Deus queira que as pedras portuguesas permaneçam. A calçada em frente ao Elevador Lacerda foi reformada  recentemente e  houve uma mistura de cimento e pedras e isso foi até uma coisa positiva.

Mercado Modelo Mercado ModeloElevador Lacerda

Os casarões continuam do mesmo jeito? Sim. Muitos estão em ruínas e prestes a desabar na cabeça dos transeuntes. Os que não estão nesse estágio, estão completamente tapados com ferros e cimento, uma agressão sem tamanho.

No meio desse cenário que entristece, algum alento e esperança. Está ocorrendo a reforma da famosa Praça da Inglaterra

Praça da Inglaterra Praça da Inglaterra

…E outra coisa maravilhosa que aconteceu e a gente já havia falado aqui foi a reforma da Igreja de São Pedro Gonçalves do Corpo Santo, que fica ao lado do Elevador Lacerda. Primitiva, ficou linda e graciosa demais! Falamos sobre ela nesse post.

E você, alguma vez já andou pelo Comércio?

Gostou? Compartilhe!

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Autores de comentários
Calçadões de cimento x pedra portuguesa | Pensar SalvadorPensar Salvador | Calçadões de cimento x pedra portuguesaPrecisamos falar sobre o Comércio Autores recentes de comentários
  Se inscrever  
o maisnovo mais antigo mais votado
Me notificar caso:
trackback

[…] restringe apenas o abandono dos seus casarões. O atual estado das suas vias também pede socorro. Calçadas destruídas, vias sem asfalto, lixo nas ruas, calçadas altas sem rampas de acesso para cadeirantes e pessoas […]

trackback

[…] para fazermos um post completo. Baianos, nunca se esqueçam: Precisamos, sempre, falar sobre o Comércio e sobre todo o Centro Histórico de […]

trackback

[…] para fazermos um post completo. Baianos, nunca se esqueçam: Precisamos, sempre, falar sobre o Comércio e sobre todo o Centro Histórico de […]