Tem mais Salvador no NY Times na Coluna "36 Hours"

Tem mais Salvador no NY Times na Coluna “36 Hours”

E tem mais Salvador no NY Times! Dessa vez, dentro da Coluna “36 Hours – O que fazer quando você tem 36 horas para conhecer uma cidade”. Lembrando que esse giro do NY Times em Salvador ainda não tem a ver com a indicação da cidade como um dos 52 Lugares para se conhecer em 2019.

→ O que foi falado de legal sobre Salvador

“Mais do que em qualquer outro lugar deste país multiétnico, Salvador está mergulhada na cultura afro-brasileira – do culto das divindades iorubás (orixás), à prática acrobática da capoeira, a uma culinária tingida com óleo de dendê laranja e latente com uma dose mais forte de pimentas quentes do que o resto de língua delicada do país pode suportar”. (Já começou dizendo que só baiano aguenta pimenta no Brasil, hahha)

“Sua energia juvenil e tradições musicais profundas criam uma vida noturna vibrante, muitas vezes ao ar livre, mesmo quando não é carnaval. E quando é – bem, vamos apenas dizer que a versão do Rio parece a hora do chá no Palácio de Buckingham em comparação”. (Geeente, tadinho do Rio, que comparação! kkkk)

“A dourada Igreja e Convento de São Francisco do século XVIII deixará sua mandíbula aberta”. (Oh yeah)

“O Pelourinho é tão Instagramável quanto animado.” (Ahh, que fofo!)

“Certifique-se de ir ao Forte da Capoeira (Santo Antonio) para uma demonstração de capoeira, uma fascinante tradição de artes marciais com origem em rituais africanos trazidos ao Brasil durante a escravidão. ” (Cadê os baianos fazendo isso?)

“Mouraria é um bairro tranquilo de ruas de paralelepípedos com restaurantes e bares que não foram gloriosamente enfeitados para os visitantes”. (Na Times Square também tem pizzarias nada gatinhas)

“Sair de Salvador sem experimentar a moqueca seria tão absurdo quanto uma viagem sem pizza a Nápoles.” (Com certeza!)

“Jorge Amado é o filho literário preferido de Salvador, com romances que costumavam ser retratados como retratos de Salvador do século 20 e do estado da Bahia.”

“Larribar é um dos poucos lugares da cidade que leva os coquetéis a sério.” (Essa vai pro mercado)

“Ao contrário do turístico Mercado Modelo, a Feira de São Joaquim é um mercado enorme, sujo, meio reformado onde, além de inúmeras frutas e carnes e órgãos, você também encontrará ervas medicinais, óleo de dendê, cachaças infundidas até mesmo cordas de tabaco grosso. O destaque é a grande variedade de itens religiosos”. (Literalmente, onde se acha de um tudo na Bahia, rs)

“Em Itapuã, você pode posar sentado ao lado de uma estátua amistosa e barriguda de Vinícius de Moraes, em frente à sua antiga casa.”

“… atraente Praia do Flamengo”.

→ Velhas verdades já sabidas

“O Pelourinho é turístico? Sim. Você deve ter cuidado com os batedores de carteira? Sim. Você pode visitar Salvador sem vagar pelas ruas? Não há chance”. (Eu ainda acho o Pelourinho um lugar muito seguro)

“Infelizmente, as taxas de criminalidade significam que nem todos os trechos da cidade podem ser explorados à vontade”.

“Vendedores errantes sem relação mas tolerados pelo restaurante, cuidarão de suas “necessidades” por cerca de 5 reais.” (Na Mouraria)

→ Sorry (?)

“…mas os serviços de transporte coletivo e baratos fazem com que seja fácil se locomover com segurança”.

“Experimente uma caipirinha, o tradicional coquetel brasileiro feito com limão, açúcar e cachaça. […] Você pode pedir com umbu, uma fruta verde de sabor cítrico, às vezes chamada de ameixa do Brasil.” (Essa é nova).

→ Por onde o NT Times (o jornalista Seth Kugek) passou em Salvador

Locais: Museu Afro Brasileiro, Pelourinho, Forte Santo Antonio Além do Carmo, A Casa do Rio Vermelho, Feira de São Joaquim (comeu sarapatel).

Restaurantes: Mistura Perfeita (Mouraria), Velho Espanha (Barris), Donana, Larriquerrí e Larribar, Chupito (Rio Vermelho), Mistura e Barraca do Lôro.

Leia também: A Rota Gastronômica do NY Times em Salvador

Vindo para Salvador ou viajando pelo mundo? Reserve por aqui!
Quando você faz uma reserva por um link do blog, você quase sempre tem desconto, não paga nada a mais por isso e nós ganhamos uma pequena comissão. Essa troca positiva nos ajuda a continuarmos produzindo mais conteúdo de qualidade.
Gostou? Compartilhe!

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
  Se inscrever  
o maisnovo mais antigo mais votado
Me notificar caso:
trackback

[…] herança afro-brasileira…” e outras coisitas que massagearam nosso ego… (leia aqui!), é hora de falar da Rota Gastronômica do NY Times em […]