Um desvio para o Abaete

Um desvio para o Abaeté | Salvador na revista portuguesa UP

Outra vez nos deparamos com uma revista estrangeira citando Salvador. Dessa vez, a revista portuguesa UP, num texto nostálgico e lânguido sobre a Lagoa do Abaeté. Confira.

Um desvio para o Abaeté

“Pensava em Itapuā. Nunca tive planos para visitar um lugar que existia numa canção por haver nisso beleza suficiente. O nome da terra, a voz de Toquinho eram suficientes para idealizar uma espécie de perfeição à beira-mar; perfeito demais para haver na terra. Mas fui a Itapuã. Uma manhã e não numa tarde como na canção. […]. Era cedo, um inverno morno, o areal quase vazio, onde imaginei figuras míticas a passear: Vinicius, Dorival, João Gilberto, Toquinho, Jorge Amado. Todos iam para Itapuã e ali estava eu perto das ondas da maré vazia […] um farol, habitantes, a estátua de Vinicius – achei-a triste.

Fui a Itapuã, mas ver Itapuã não matou o lugar que há na minha cabeça. Ele mantinha-se mesmo comigo ali, a Itapuã real e a imaginada a encaixarem-se numa nova Itapuā, a do “dia para vadiar” e a daquela manhã com o rapaz a carregar cadeiras para a praia ganhavam uma dimensão nova, como se estivesse a entrar numa ficção […]. Sem enganos a não ser os da imaginação, e essa não engana, dá alternativas ilimitadas. Eu com estes pensamentos sem ordem e o taxista sugere uma paragem no caminho de regresso. “Não pode vir aqui sem ver isto”. Depois de um desvio por uma ladeira íngreme lá estava o que nunca pensei ver. Uma lagoa de água escura rodeada de areia branca. O verde escuro da mata, em contraste com a claridade das dunas […]; homens a pescar, um cavalo que entra na praia, solto, e que para mim só podia ganhar asas porque para cavalos alados teria de ser ali. A Lagoa do Abaeté. Existe, e dela contam-se se histórias trágicas. “Se mergulhar a areia pode comer você”, dizia-me o taxista. Não sei se assustado ou para me assustar, enquanto ia narrando tragédias, gente que desapareceu para sempre naquele lugar encantado e assombrado que o nome significa horror. Um horror dunar, que engana de tão sedutor. Aos olhos é idílico. O cavalo corre nas dunas, não ganha asas, relincha atrás da mãe. No Abaeté as águas podem comer gente, mas à superfície, tudo normal, se a normalidade fosse perfeita.”

Vindo para Salvador ou viajando pelo mundo? Reserve por aqui!
Quando você faz uma reserva por um link do blog, você quase sempre tem desconto, não paga nada a mais por isso e nós ganhamos uma pequena comissão. Essa troca positiva nos ajuda a continuarmos produzindo mais conteúdo de qualidade.
Gostou? Compartilhe!
0 0 votes
Article Rating
Se inscrever
Me notificar caso:
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
-->